O Colo de Cumaru surgiu da compaixão.

Nossa história

Image by Kelly Sikkema
Image by J W
 

No final de 2021...

As mineiras e amigas de infância Andréa Nancy Pontes Gomes, ginecologista e obstetra, e Juliana Toscano, jornalista, que estavam, de forma independente, em final uma jornada de aprendizado em temas de finitude e cuidados com quem sofre, em uma de suas conversas virtuais, falavam sobre os benefícios da promoção do autocuidado para qualquer SER humano. O ponto principal daquela conversa foi o quanto ele é subestimado e, mesmo, menosprezado por todos, em especial pelos profissionais envolvidos no ato de cuidar de pessoas, área em que a ginecologista atua.

 

A vivência da Andréa, que lida diariamente com uma equipe de uma UTI neonatal, permitiu ela relatasse, durante a conversa, os diversos casos de adoecimento físico e emocional dos profissionais, em decorrência do não-reconhecimento da necessidade da promoção diária de autocuidado. Naquele momento,  ambas sentiram que precisariam fazer algo.

Andréa, que finalizava o curso de “Doula com AmorTser”, sugeriu a promoção de um encontro de acolhimento e escuta para seus colegas de trabalho ainda naquele ano. Juliana, que também terminava um curso sobre cuidar de uma pessoa em seus últimos dias de vida, que a habilitaria ser uma “Sentinela – Guardiã do Fim da Vida”, convidou sua colega de curso, a aromaterapeuta, também formada em medicina tibetana, Elizangela Rubia para se unir à dupla. Estava formado o trio que planejou toda a atividade. As cuidadoras, disseminadoras da importância de cuidar de si, logo entraram em ação.

 

No dia 20 de dezembro de 2021, realizou-se o PEA – Pausa Escuta e Autocuidado, encontro que reuniu profissionais de um hospital, de forma presencial e virtual, em uma atividade voluntária de escuta e acolhimento àqueles profissionais e também de promoção da importância do autocuidado, tendo sido realizadas atividades que proporcionaram o bem-estar deles.

Nascia ali o Colo de Cumaru.

Image by Charlie Harutaka
Mão aberta com sementes de marrons da cumaru.

Colo de Cumaru

Quando criança, acreditamos que o colo é o nosso lugar de cura, de aconchego, de proteção.

 

Quando adultos também precisamos de colo. Na maioria das vezes, não temos coragem de verbalizar essa necessidade. Às vezes, soltamos um “quero colo! ”, em forma de lamento, quando nos vemos diante de uma situação em que nos sentimos cansados, sem forças.

 

O colo pode ser materializado de formas diversas: em uma escuta atenta,  em uma pausa para respirar, naquele café tomado no meio da manhã com um parceiro de trabalho e mesmo no bolo quentinho levado para alguém que passa por dias difíceis. Colo é também uma automassagem quando o corpo está dolorido. Até mesmo o silêncio é colo quando não se sabe o que falar. Autocuidado diário também é colo.

 

E o Colo de Cumaru quer ajudar a levar bem-estar  e consciência da necessidade de autocuidado aos profissionais que cuidam de outras pessoas que se esquecem de que todos precisamos de colo.

 

Não pode faltar colo!

Sementes marrons da cumaru sobre uma mesa.

Sobre a Cumaru

A Cumaru é uma bela árvore nativa do Brasil, Colômbia, Guiana Francesa, Guiana, Peru, Ilhas Seychelles e Suriname. Seu fruto produz sementes em forma amendoada com uma fragrância maravilhosa que lembra muito a da baunilha. Não é à toa que suas sementes também são conhecidas como “a baunilha brasileira”. 

O perfume que é emanado pelas sementes da Cumaru remete-nos às sensações de acolhimento, de aconchego, de amor, de cuidado. Remete-nos ao colo de mãe. Sabe aquela sensação que se tem ao colocar a cabeça no colo de alguém em que se confia, que nos escuta sem julgar e que acaba por nos ajudar a encontrar nossas próprias respostas para muitas questões? Sim, o o aroma do Cumaru nos acolhe na ação de escuta compassiva! 

As sementes da Cumaru também transmitem a força dessa árvore majestosa, conhecida por todos os habitantes nativos das regiões em que ela cresce. A força abaunilhada não é bruta, mas sim cuidadosa, uma resiliência amorosa:  força que vem do ato de se amar. Fortaleza que surge do autocuidado, da autonutrição e do amor próprio. Assim, estando forte, a árvore de Cumaru pode dar frutos e sementes. Quanto aprendizado essa árvore proporciona! 

Docilidade, amorosidade, ver o outro, acolher, cuidar com calma, serenidade e amor. Assim nos inspira a Cumaru: a colocar no mundo ações abaunilhadas, ações doces, respeitosas e cheias de amor.

Quem dá colo

Voluntária

Foto de Rosy Gonzales, usa óculos, sorrindo, bluza preta, blazer vermelho. Fundo branco.

Rosy Gonzalez

Designer Gráfica

 
 
 

O que fazemos

Image by name_ gravity

Cicely Saunders

(Médica, enfermeira, assistente social. Precursora dos cuidados paliativos modernos)

O sofrimento só é intolerável quando ninguém cuida”

Image by Henry Be

O Colo de Cumaru  desenvolve atividades que buscam promover o acolhimento e bem-estar para todas as pessoas que, de alguma forma, estão envolvidas no cuidado de Seres Humanos em sofrimento nas dimensões física, emocional, social, familiar ou espiritual. A este cuidado damos o nome de “Cuidar de quem cuida”.

Image by Jared Rice

Nossa missão

O Colo de Cumaru tem como missão despertar e manter viva arte do autocuidado nos profissionais envolvidos no ato de cuidar de um SER humano em sofrimento.

O Colo de Cumaru tem como missão despertar e manter viva arte do autocuidado nos profissionais envolvidos no ato de cuidar de um SER humano em sofrimento.

O Colo de Cumaru tem como missão despertar e manter viva arte do autocuidado nos profissionais envolvidos no ato de cuidar de um SER humano em sofrimento.

Nossos valores

  • Compaixão

  • Fidelidade ao propósito

  • Honrar a integralidade do SER

  • Disponibilidade, atenção e escuta para todos os envolvidos no cuidar de um SER humano em sofrimento