• Colo Cumaru

A dor e o luto não reconhecidos dos homens

Durante a gravidez ou perda gestacional é preciso cuidar dos homens.


No nascimento de um filho, os protagonistas costumam ser o binômio mamãe e bebê. Habitualmente, o pai, personagem tão importante quanto os demais, tem menos atenção.


É comum na rede de serviços saúde perinatais não se dedicar atenção aos homens que acompanham o processo gestacional. Em consultas ou exames de rotina, a atenção está sempre na mãe e no bebê. Os pais ou companheiros, quase nunca são questionados sobre como estão se sentindo. Quando o processo gravidez transcorre sem problemas isso parece irrelevante, mas não é. E, quando, no transcurso da gravidez, intercorrências acontecem?


Como médica ginecologista e obstetra foram muitas as situações que vivenciei, vendo a dor dos desses homens ignorada. Quando tudo corre bem, as celebrações mãe e bebê são as estrelas. Mas quando situações delicadas acontecem, a invisibilização da figura masculina se acentua.


De situações rotineiras às mais delicadas, tenho muitas estórias gravadas em minha memória. Lembro-me de casos extremos, de perdas, de abortamentos, em que vi nos olhos masculinos o mais doloroso abandono. Saindo da sala de cirurgia, o que comumente se vê é a preocupação legítima de todos – amigos, familiares e do próprio companheiro – com as mães, que perdem seu filho.


Mas e a dor desses homens que também estão tendo uma perda? O que lhes é permitido expressar? Eles podem, pelo menos, chorar copiosamente? Falar em autocuidado para eles é inimaginável.


A dor e o luto de homens precisam ser cuidados
Foto: K. Mitch Hodge (Unsplash)

Ao longo dos anos, vi homens escondidos pelos cantos de hospitais, enxugando as lágrimas que se furtavam a sair. Esperavam por alguém que lhes abrisse o espaço de escuta para que pudessem manifestar a dor e a tristeza da perda de seu filho. Eles também se enlutam.


Dar colo e cuidar


Dores não escolhem pai ou mãe em um processo de perda. Chegam sangrando em quem tem coração.


É preciso ter a atenção e o cuidado voltados para todos aqueles que estão envolvidos em situações de sofrimento emocional agudo. Assim como as mães, os pais também podem sofrer de depressão pós-parto, “ficar em frangalhos”, mesmo demonstrando ser “uma pedra de gelo”.


Como profissionais de saúde, médicos, enfermeiros, técnicos podemos desenvolver um olhar mais atento e uma escuta compassiva para as mães, sem nos esquecer desses pais, treinados para não demonstrar sentimentos. E assim, ser o colo que acolhe.


Ao acolher essas famílias, devemos estar atentos para as nossas dores porque somos impactados emocionalmente em cada situação vivida também. O autocuidado é essencial. Buscar um colo que nos acolha é um ótimo caminho.


Andrea Nancy Pontes Gomes

Aquela que dá colo

Médica ginecologista e obstetra. Homeopata. Doula da morte.

Formação de Doula com AmorTser. Mortal.


Veja como você pode usar a música como ferramenta de autocuidado.


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo