top of page
  • Colo Cumaru

Atualizado: 7 de ago. de 2022

Estudos mostram que aromas afetam as emoções e melhoram o humor.



Aromas cítricos estimulam o bem-estar.
Foto: Hayley Maxwell (Unsplash)

Os cheiros evocam fortes respostas emocionais por meio de nossas experiências, que, por sua vez, afetam nosso humor. Em um sentido muito básico, fragrâncias agradáveis ​​melhoram o humor e o bem-estar. Odores desagradáveis ​​criam respostas negativas de humor. Estudos mostraram que mesmo a menção de um cheiro positivo pode aumentar o humor positivo, tornando-nos mais alegres e otimistas.


O cérebro é o principal responsável por essa conexão. O sistema límbico – responsável pelas respostas emocionais, memória e comportamento - está ligado diretamente ao olfato. Assim, odores, emoções e memórias “conversam entre si” rapidamente.


Três aromas para o bem-estar


Vários são os aromas que nos estimulam de forma positiva. Neste texto, falaremos somente de três deles, indicando o efeito que causam em nós.


1. Frutas cítricas (laranja, mandarina, limão, toranja, lima, bergamota)

Estão relacionados ao bem-estar, à elevação do humor, à alegria e ao aumento da energia.


2.Favas de baunilha

É mais frequentemente associado ao relaxamento. Na aromaterapia, a baunilha promove sentimentos reconfortantes, de cuidado, proteção, de ninho.


3.Menta

É um estimulante do humor, proporcionando um estado mental revigorado, a clareza mental e criando uma energia positiva.


Usando em nosso benefício


As frutas cítricas podem ser consumidas diariamente. A baunilha e a menta podem ser apreciadas na forma de chás.


Outra opção é usar os óleos essenciais destes aromas. Essa é uma maneira bastante prática de trazer estas vibrações positivas para seu ambiente. Bastar usar o óleo essencial em um difusor de ambiente. Na aromaterapia, utilizamos um difusor à frio, apropriado para que se possa usufruir dos benefícios dos óleos essenciais.


Coloque a água no difusor e duas gostas do óleo essencial de sua preferência. É possível, ainda, fazer um blend (uma mistura). Adicione 2 gostas de um óleo com aroma cítrico (o de mandarina, por exemplo), e duas gotas do de menta.


Agora, pronto, é só desfrutar do aroma vibrante e delicioso que será formado!



Elizangela Rubia

Aquela que dá colo

Aromaterapeuta e Educadora na área de Aromaterapia. Aplica Massagem Sonora (Soundhealing).

Formada em Medicina Tibetana no Centro de Medicina Tibetana de Milão. PaliAtivista

Sentinela - Guardiã de Fim de Vida, Tanatóloga em Formação


Aqui tem outro texto de Elizangela que fala de aromaterapia.

25 visualizações0 comentário
  • Colo Cumaru

Estudos mostram que poesia pode ser um remédio para a saúde mental.


Amar


Quem não morou em seu poço, quem nunca assistiu a cena

de amor do sol despindo a manhã, quem não ouviu seus

trovões antes dos seus silêncios

não pode amar.


Quem não experimentou suas fronteiras

e se lançou em seus abismos não pode amar.


Amar é voar

sem asas.


Ana Claudia Quintana Arantes

Escritora e médica


Recentemente, a CNN publicou uma matéria sobre os benefícios da leitura, da escrita e mesmo de escuta de poesias para a saúde mental. O texto fala de artigos e estudos realizados nos Estados Unidos, nos últimos anos, que demonstram o poder que a palavras podem exercer sobre as pessoas em tempos delicados, difíceis. O autocuidado está onde menos se imagina.


No Brasil, a geriatra, médica paliativista e também escritora, Ana Cláudia Quintana Arantes, já receita poesia para seus pacientes há muito tempo. “As palavras encontram seu poder quando chegam ao lugar que devem estar. E podem ser carinhos. De longe, os dedos escolhem as letras para versos ou prosas, mas é na pele que esses toques descobrem o que querem dizer. As palavras podem tocar a pele de leve, dando arrepios. Podem aquecer o peito e despertar um sorriso esquecido”, fala, com comentar sobre seu livro de poesias ’Linhas Pares’ (Scortecci Editora)”.



Lápis sobre moleskini em branco sobre mesa
Foto: Jan Kahánek (Unsplash)

A poesia também está presente em um projeto criado por ela durante o período mais severo da pandemia, em que todos ainda permaneciam isolados. No “Comunidade Gente Boa”, as pessoas se reúnem com Ana Cláudia, aos domingos, por 30 minutos, para um intercâmbio sobre música, poesia, literatura e sobre muitas outras coisas boas.




Com a internet oferecendo a possibilidade de acesso a uma diversidade de sites com conteúdos sobre poetas consagrados brasileiros e em vários idiomas, é possível pensar em várias atividades de leitura para pessoas que necessitam de cuidados especiais ou mesmo para aqueles que necessitam de pausas e cuidado em suas rotinas desgastantes.


O Colo que dá colo: neste site da Unicamp você encontrará a links de acesso a outras bibliotecas, bibliografias.


185 visualizações0 comentário
  • Colo Cumaru

Atualizado: 3 de jul. de 2022

Os cuidados paliativos são uma abordagem humanizada de cuidar do paciente, que estende seu olhar a cuidar de quem cuida também.



Carinho e cuidado.  Manto, flores do campo e caneca.
Foto: Debby Hudson (Unsplash)


Paliativo vem da palavra latina Pallium que se referia a um tipo de manto na Grécia e Roma antigas e, mais tarde, a uma faixa de lã branca com pingentes na frente e nas costas, usada pelos Papas ou arcebispos como símbolo de plena autoridade episcopal. Pallium também dá origem ao verbo paliar, que significa cobrir, envolver, vestir ou abrigar. Assim, quando a causa não pode ser curada, entra em ação os cuidados paliativos, para assistir os pacientes com tratamentos específicos e humanizados.


Os cuidados paliativos são uma filosofia de cuidados, muito abrangente e multidisciplinar, com foco na compreensão e atendimento a uma série de necessidades para manter a qualidade de vida, equilibrando-a com terapias apropriadas. Quando os pacientes recebem cuidados paliativos, são cobertos de cuidado e conforto, pois a atenção está totalmente focada no gerenciamento de sintomas e dor; o foco está na qualidade de vida. Nessa abordagem humanizada, as famílias também estão envolvidas no cuidar.


O encaminhamento para cuidados paliativos não significa que os médicos estão desistindo de um paciente ou deixando de oferecer cuidados médicos porque seriam inúteis. Em vez disso, os tratamentos visam a aliviar os efeitos de uma doença, fazer a pessoa se sentir melhor para atravessar o tratamento. É aconselhável que esses cuidados sejam iniciados no diagnóstico de uma doença que ameace a vida de qualquer paciente.


Além da dor física


Cicely Saunders foi uma enfermeira, assistente social, médica e escritora inglesa. Ela é conhecida, mundialmente, por seu trabalho na pesquisa de cuidados terminais e seu papel no nascimento do movimento de cuidados paliativos, enfatizando a importância dos cuidados paliativos na medicina moderna.


Saunders introduziu a ideia de "dor total", que abrange os sofrimentos físico, emocional, social e espiritual. Nós, aqui no Colo, aprendemos no Sentinelas, a considerar o sofrimento familiar como um sofrimento adicional. Esse olhar abrangente sobre a dor humana possibilita levar, ao paciente e a sua família (o cuidar de quem cuida) uma variedade de intervenções que colaborem para seu bem-estar, alivio de sintomas. É possível envolve-los com diversos “mantos”: a musicoterapia, aromaterapia, a massagem, a nutrição afetiva, por exemplo.


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), “os cuidados paliativos são uma parte crucial dos serviços de saúde integrados e centrados nas pessoas. Aliviar o sofrimento grave relacionado à saúde, seja ele físico, psicológico, social ou espiritual, é uma responsabilidade ética global. Assim, se a causa do sofrimento é uma doença cardiovascular, câncer, falência de órgãos importantes, tuberculose resistente a medicamentos, queimaduras graves, doença crônica terminal, trauma agudo, prematuridade extrema ou fragilidade extrema da velhice, os cuidados paliativos podem ser necessários e deve estar disponível em todos os níveis de atenção. Estima-se que globalmente que apenas 14% dos pacientes que necessitam de cuidados paliativos o recebam”.


Há um caminho a percorrer até que todos os que necessitem deste Manto de proteção e cuidado possam recebê-lo. Os os primeiros passos já foram dados e a cada dia que passa, mais pessoas se preparam para a tarefa de cuidar com o olhar diferenciado que necessita, lembrando que o cuidar para além da doença, o cuidado paliativo, requer a atuação de uma equipe multidisciplinar: equipe médica e de profissionais da saúde, terapeutas, psicólogos, cuidadores e também de um Sentinela de Fim de Vida.


Assim, os cuidados paliativos são um manto de amor e proteção que envolve a pessoa na sua protegendo a sua integridade.



Elizangela Rubia

Aquela que dá colo

Aromaterapeuta e Educadora na área de Aromaterapia. Aplica Massagem Sonora (Soundhealing).

Formada em Medicina Tibetana no Centro de Medicina Tibetana de Milão. PaliAtivista

Sentinela - Guardiã de Fim de Vida, Tanatóloga em Formação



Leia outro texto de Elizangela sobre aromaterapia e cuidados paliativos.

10 visualizações0 comentário
bottom of page